Pessoal, independentemente de quem gosta, odeia, ama ou é indiferente a Lula, segue abaixo a minha manifestação no twitter sobre a condenação do ex-procurador em face do ex-presidente.

01. Guy Debbord apontou nos anos 1960 que a sociedade passava por um processo de espetacularização. Começou com as artes, mídia, passou à Política e infelizmente, chegou à Justiça. Esse processo não é brasileiro, mas sim, mundial.

02. Réus e investigados devem ser processados com isenção e tratados com equidade e sobriedade pelas autoridades responsáveis, e não, como ocorreu, submetidos a linchamentos virtuais e morais.

03. Deltan Dallagnol urdiu com o Juiz da causa meios de planejar a condenação prévia não de um mas de vários cidadãos, e para isso, inflamou a opinião pública e espetacularizou a Justiça, criando um ambiente onde a injustiça nadou de braçada e vários réus foram submetidos a linchamentos públicos morais em ambiente físico e virtual.

04. Podemos concordar ou discordar de ideias políticas, mas não podemos considerar alguém culpado por ser de direita ou esquerda e tratá-lo como criminoso e corrupto com base em combinações com o Juiz da causa.

05. Deltan Dallagnol e Sérgio Moro envergonharam o MP e Magistratura, enganaram a sociedade e imprensa brasileira por anos, subverteram garantias fundamentais inerentes a processos criminais e terminaram por influenciar as eleições presidenciais de 2018.

06. Isso sem falar na corrosão das instituições e no descrédito a que lançaram a operação Lava-Jato como um todo, Moro ao aceitar ser ministro do governo que ajudou a eleger, e ambos, agora que tudo foi esclarecido pelas mensagens trocadas e teor delas conhecido.

07. Os dois deveriam ser punidos disciplinarmente porque subverteram completamente os preceitos do MP e Judiciário, porém, ambos se desligaram de suas funções justamente para escapar destas punições. Deltan especificamente já tinha contra si uma dezena de processos junto ao CNMP.

08. A condenação civil pelo Power Point que montou contra Lula pode agora servir de paradigma para outras condenações civis ajuizadas por outros réus e investigados que tiveram seus direitos pisoteados em praça pública por Deltan.

09. Mais do que nunca, a aventura de Deltan na política mostra que não é por mudanças no país que o ex MP busca, mas sim, UM FORO PRIVILEGIADO para tentar se blindar da avalanche de ações civis e penais que poderá ter que enfrentar por ter BRINCADO com a vida dos outros.

10. E todos nós, cidadãos, sejam os que apoiaram a Lava-Jato, ou aqueles que identificaram seus vícios desde o início, temos o dever de estarmos atentos à cobertura da mídia de futuros eventos investigativos, porque até agora, a imprensa não fez a autocrítica que lhe cabia, ao cobrir o evento sem nenhum espírito crítico e se deixando usar pelo ex- procurador, juiz e outros atores políticos.

11. Este é um processo também atravessado aqui em Portugal, onde parte do pensamento público tem apontado suas baterias contra a cobertura injusta, parcial e desigual que a mídia lusa fez das investigações contra o ex-primeiro ministro José Sócrates.

Tentemos evoluir.