Alguns brasileiros sofrem uma grave miopia política. Pensando emular os EUA, pedem um Estado “menor”. Mas os EUA têm um dos poderes públicos mais inchados e intervencionistas do mundo (no próprio território e em outros países). Aliás, qual país atingiu bem-estar social sem o Estado?

Para enfrentar o crash na Bolsa em 1929, foram bilhões de dólares despejados pelo gov. para particulares e empresas. Já nos anos 30, o New Deal de F. Roosevelt dobrou a aposta (não sem ser chamado de comunista, é claro), instituindo a malha do welfare state aos americanos pobres.

Após a 2.Guerra (1939-1945), novamente os EUA injetaram quantias astronômicas através do Plano Marshall, desta vez na Europa Ocidental e Japão. Para supostamente combater o comunismo, os EUA mantiveram linhas de crédito a países aliados e gastaram os tubos em guerras.

Foram investimentos do governo dos EUA que geraram a criação da intranet, posteriormente transformada em internet. Década após década, o governo norte-americano investiu bilhões em educação básica e universidades, pavimentando tecnologias de ponta como o vale do silício.

Para resgatar o país da crise subprime em 2008, o governo americano investiu trilhões de dólares, chegando inclusive a nacionalizar empresas e indústrias, justamente para salvar os empregos e riqueza que elas poderiam ainda gerar.

Já recentemente, durante a Pandemia, o governo dos EUA interviu com a mão pesada na crise econômica, injetando na veia do mercado e famílias dinheiro para o resgate de quebrados, falidos ou quem teve seu negócio lesado.

E agora mais recentemente ainda, o governo dos EUA anunciou um pacote de quase 2 trilhões de dólares a ser investido em educação básica e universitária a fim de capacitar as novas gerações para enfrentar as economias mais avançadas do século XXI.

Mas, Alexandre, os EUA não são capitalistas? Não são liberais? E o Estado mínimo? E a austeridade fiscal? E os impostos baixos? Esse receituário, o consenso de Washington (criado no começo dos anos 90), empurra para os outros países, especialmente os em desenvolvimento.

É o famoso faça o que digo e não o que faço, porque os impostos baixos nos EUA são apenas os que incidem sobre produtos ou serviços, isto é, sobre o consumo. Os impostos sobre herança ou propriedade, são em geral, de 3 até 10 vezes mais altos que no Brasil. Surpreso?