Letitia Wright é uma das minhas atrizes favoritas no chamado Universo Marvel, interpretando a cientista Shuri, irmã do protagonista T’Challa, sendo em várias versões dos quadrinhos a Pantera Negra que o substitui.

Com a morte do ator Chadwic Boseman, a atriz se tornou a preferida do público para substituir o herói T’Challa no filme Pantera Negra II, que segue em produção.

Eis que Letitia sofreu um acidente durante as filmagens e retornou ao Reino Unido (ela é britânica), onde vive, para melhor se recuperar. Esse evento fez com que ela fosse impedida de retornar aos EUA para as filmagens segundo agências internacionais de notícias.

Motivo: Letitia se nega a ser vacinada.

Surgem dois problemas a Marvel: o primeiro, como terminar a produção sem a atriz principal da película.

E o segundo: como conciliar ao grande público a imagem da personagem com a da atriz que a interpreta?

Shuri, tanto nas HQs como no cinema, é uma jovem audaciosa, valente, independente e principalmente… INTELIGENTE.

É uma cientista que cria e aperfeiçoa desde energia limpa, a sistemas de defesa a Wakanda (nação fictícia dos Panteras Negras), até próteses funcionais de membros amputados para veteranos de guerra.

Em nada, Shuri é uma obscurantista.

A atriz Letitia Wright, ao contrário, não apenas não se vacinou, como tem feito campanha contra a vacinação e divulgado a rodo Fakenews em suas redes sociais.

Há quem diga que a atriz será demitida, o que seria controverso. Mas, sendo demitida ou não, a Marvel tem um imbróglio a desatar: como dissociar a imagem de cientista iluminada da personagem da reputação de negacionista ignorante da atriz?

Ok, atores e atrizes são humanos e deveríamos conseguir isolar suas atuações de suas vidas, mas isso tem sido cada vez mais difícil na contemporaneidade.

Símbolos são signos com poder de dizer mais com menos.