O Governo Federal pressionou o governador Bolsonarista do Amazonas para abolir o isolamento no final de 2020, ao mesmo tempo em que o Ministro da Saúde não ampliou o fornecimento de estoques de O2 (o MP já reconheceu que esse dever cabe ao Governo Federal se for necessário).

Como necropolítica é uma combinação de maldades, incompetência e desprezo à vida alheia sem fim, nos dizeres de Achille Mbembe, o Ministério da Saúde pressiona agora os médicos a usarem drogas que não funcionam (mas foram estocadas aos montes para agradar aliados fornecedores do presidente) como cloroquina e ivermectina.

A questão é clara: primeiro veio a superlotação dos hospitais, exatamente 02 semanas após a liberação geral do isolamento, depois o ápice da necessidade de O2 e agora as mortes.

Passo seguinte: COLAPSO do sistema funerário, o que além de provocar mais indignidade do que já experimentada por vivos e mortos, vai gerar novas doenças.

O verdadeiro patógeno que enfrentamos não é mais só o corona vírus, e sim, o ideológico: essa ideologia tecnopopulista, pós fascista, negacionista e ignorantemente estúpida que 15% da população e todos os ministros seguem: o Bolsonarismo, uma espécie de Direita revolucionária, radical, jacobina e obscurantista, um verdadeiro veneno em vez de remédio ao que se propunha combater (a cleptocracia).